quarta-feira, 15 de abril de 2009

Absolut em trajes - 1ª cena

Opa, gente boa, hoje este blog enveredará por horizontes alegres e divertidos. A arte da publicidade e propaganda tomará conta deste espaço, mas claro, uma publicidade com pitadas de descontração, como reza a cartilha do blog.

E como não poderia deixar de ser, elegemos ela, a representante imaculada da Suécia, a queridinha dos alcoólicos de plantão, a imperatriz leopoldinense das baladas, a supra-sumo das vodkas com sabor, a deliciosa Absolut.



Olha, as propagandas da Absolut são fenomenais... Vale à pena conferi-las. Uma mais genial que a outra. Aplausos para seus elaboradores. Contesto! Aplausos para quem fundou a marca do destilado, pois se assim não o fosse, não haveria tais peças publicitárias. Protesto! Reveneração suprapapal para quem "produziu" a vodka! hehehe..


Então, deixando o terrorismo bebum de lado, vamos ao que interessa. Com vocês, os anúncios subliminares que nos levam a “matar” garrafas e depois sofrer de amnésia instantânea. Obs: Como são 16 propagandas, estas virão em duas partes.

*AVISO: Este blog não serve de pretexto para beber, nem pretende fomentar o vício. Longe disso. Álcool é coisa do demo. Tin-tin =P








quinta-feira, 9 de abril de 2009

Põe na tela, mano!

Alô, amigos da Rede Globo... Ops!? Vou tentar de novo: Alô, você... Aiai... Acho que ando assistindo a televisão demais.



Prova disso é o que se sucedeu na noite do dia, 07/04. Confesso que não sou dos mais assíduos telespc, entretanto, em virtude da semana santa e da emenda feita pela USP, faculdade laica, mas muito católica para feriados, aponte-se (detalhe: nem a PUC estendeu a semana), a tele-tela revelou-se uma descoberta surpreendente para este blogueiro tão autista para com o universo televisivo...

Ao mesmo tempo, por volta das 22h30, ocorria a final do BBB9 da Rede Globo, bem como era exibido o programa Superpop, na RedeTV (apresentado pela Luciana Gimenez, só para destacar). Convenhamos: Estava difícil de sintonizar o 'menos pior', mas eis que, de repente e não mais que de repente, ambas as atrações, por incrível que pareça, se tornam convidativas. Logo, passo a sofrer de um complexo simultâneo e suicida... Queria dividir a tela ao meio, ligar duas TVs e com um olho e um ouvido mirar para uma telinha, e com o outro olho e ouvido para a outra... Entretanto, essa diversão em fatias não estava ao alcance dos meus poderes paranormais.




Daí que o jeito foi mesmo apelar para o velho método de troca de canais durante os intervalos, ou quando o assunto estivesse enfadonho... Muita gente iria me dizer para desligar a TV e ler um livro que eu ganharia mais. Porém, resisti bravamente! Mantive a compostura, zapeei entre os canais e quando me tomei de sorriso no rosto, pude compreender que havia assistido às duas atrações, na medida do possível e da minha condição de ser apenas uma pessoa sem poderes sobrenaturais [até onde sei] =P

# Enfim, sobre o BBB9 não tenho muita coisa a dizer, já que por estar na 9ª edição, o programa ficou bem manjado do publico... Ressalvando alguns raros casos, mudam-se os rostos, mas no fundo no fundo, um participante quer imitar o estereótipo dos participantes das versões passadas e o programa acaba se tornando um mais do mesmo, um ar bem blasé.


Todavia, incrivelmente, é disso que, nós, pessoas, gostamos (acrescento eu, e não fico adstrito ao universo brasileiro, haja vista que o BBB é invenção holandesa, além de configurar um dos programas de maior sucesso em vários países, alguns até em edições bem mais avançadas que a nossa). Ou seja, acredito ser um elemento inato do ser humano esse prazer pelo voyeur, pela “espiadinha”, saber o que fazem nossos vizinhos, os participantes, para neles se identificar em algum comportamento semelhante, cujo qual nos envergonha demonstrar.


Pois bem, dito isso de forma breve, passo para a parte mais divertida da noite, que foi o Superpop. É, meus internautas, acreditem se quiser, o programa estava um barato. Não, não rolou ervas, nem nada do tipo. Houve sim uma discussão bem calorosa confrontando, de um lado, os adeptos do funk, e de outro, os rotulados como recatados, comedidos. Até um bispo tinha deste lado, condenando a vulgarização que ocorre no funk, o modo com que as “tchuchas” se vestem (?), as palavras sujas que os funkeiros mencionam... Que bizarrice! Nunca esperava isso do funk. Pensava que as “potrancas” eram todas comportadinhas, discretas, que não houvesse palavrões, incitações sexuais, nem nada do tipo.. Que ingênua esta criatura que vos escreve. Enfim, foi um bate boca danado! Algo merecedor de reprise (ou uma youtubada!)


-> Só para ficarem com gostinho da coisa, pincelei alguns comentários das "popuzudas" do funk e dos funkeiros. Apreciem a genialidade: “É da natureza do animal mamífero (sic) [aqui ele se referia a necessidade do homem] que vive em bandos ir atrás de várias fêmeas” – Mc. Catra (mamífero que alega ser pai de 17 [isso mesmo, DE-ZES-SE-TE, vc. leu certo, cidadão de mente tradicional] lindos filhotes alegres e pimpões).

Outra máxima: “Não é porque a mulher usa roupa curta que ela é vulgar” – Tatiana Gomes (da dupla Princesa e Plebeu)... Ah, e engulam esta: “Quem tem bunda faz o que quer” – Mulher Filé (Ela, por exemplo, deleita-se por ser uma verdadeira 'caixa eletrônica', já que em suas nádegas, suavizando o termo, diversos cartões de crédito são enfiados, numa metáfora de arrepiar Machado de Assis). Ora, ora, nota-se que o nível do debate foi estratosférico, só por esses trechinhos. Um show de farpas! Vulgaridade vs. Sensualidade; Religião vs. Funk... Podemos concluir que o debate rendeu. Rendeu boas gargalhadas, isso sim! ^^


** Salve o novo milionário, Max, com seu 1 milhão de reais e muitos novos bajuladores. Salve a saudosa Tati Quebra Barraco, com seu DAKO é bom... [não, ela não estava no Superpop, mas tive um estalo quando fui fazer o almoço hoje e me lembrei dela!]